| Página Inicial | O Site | Estatística | Contato Terça, 23 de Janeiro de 2018
 
 
Menu
Cidade
Cultura
Educação
Esporte
Gastronomia
Geral
Nacional
Saúde
Segurança
Trãnsito
Transporte
 
 
Notícias > Saúde Inserida em 16/03/2016 - 11:10:27
Compartilhe Facebook
Espécie de Aedes achada em Limeira pode passar vírus da zika, diz Fiocruz
Mosquito estava nas armadilhas espalhadas para combater o Aedes aegypti. Aedes Albopictus também é vetor de dengue, chikungunya e febre amarela.
 
G1
Aedes aegypti transmite zika, dengue e chikungunya
 

O mosquito Aedes Albopictus, semelhante ao  Aedes Aegypti e que foi capturado em armadilhas feitas pela Prefeitura de Limeira (SP), também pode transmitir o vírus da zika, além da dengue, chikungunya e febre amarela, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O estudo feito pela instituição apontou que as espécies também apresentam o vírus ativo na saliva. 


A pesquisa feita pela Fiocruz do Rio de Janeiro, em parceria com instituições internacionais, expôs as duas espécies de mosquito ao vírus da zika durante 14 dias e observou que10% dos Aedes Aegypti e 3,3% dos Aedes Albopictus apresentaram o vírus na saliva. 

Em 2014, um estudo liderado pelos mesmos pesquisadores apontou que 80% dos Aedes Aegypti e  95% dos Aedes Albopictus têm potencial para transmitir o vírus chikungunya apenas sete dias após ingerir o sangue infectado.

Controvérsia
Apesar dos indícios, a Fiocruz informou que, até o momento, as fêmeas desse vetor menos conhecido popularmente nunca foram encontradas naturalmente infectadas com qualquer um dos três vírus - dengue, chikungunya e febre amarela - no país.

Ainda segundo a instituição, o  Aedes Aegypti tem os criadores dentro das casas e se alimenta preferencialmente de sangue humano, já o Aedes Albopictus prefere áreas próximas de vegetações, portanto, as chances de picar alguém doente e transmitir o vírus acabam se tornando bem menores.

O mosquito Aedes albopictus é considerado vetor secundário da dengue e apresenta semelhanças morfológicas com o Aedes Aegypti. Ele foi capturado pela primeira vez no Brasil por volta da 1985, e foi responsável por alguns surtos da doença em países do continente asiático. A espécie se prolifera mais facilmente em áreas com vegetação.

O que diz a Prefeitura

A Prefeitura de Limeira informou ao G1 na tarde desta terça-feira (15), que identificou larvas do Aedes albopictus nos mesmos criadouros do Aedes aegypti, próximos à zona rural. Em janeiro, Executivo instalou armadilhas contra os mosquitos no próprio prédio, no Parque da Cidade, em prédios da área central e no Centro de Promoção Social Municipal (Ceprosom).

Segundo a administração municipal, o projeto consiste em uma caixa preta com um reservatório de água, onde é colocado um larvicida para matar o mosquito. O método foi implantado em conjunto com o Centro de Ressocialização (CR). 

O Executivo ainda informou que, embora tenham sido encontrados mosquitos Aedes albopictusem Limeira, a espécie é registrada no município há mais de 15 anos, bem como em outras cidades. "Geralmente estão associados com recipientes encontrados na área periurbana (bairros próximos à região rural)", informou o poder público.

"No que se refere ao controle do vetor, as atividades desenvolvidas são as mesmas utilizadas no controle do Aedes aegypti, isto é, visitas casa a casa, bloqueios de transmissão e ações educativas. Isto ocorre concomitantemente ao trabalho desenvolvido com o Aedes aegypti", disse. 

Piracicaba
No bairro Cecap/Eldorado, em Piracicaba (SP),
 região onde é realizado o projeto "Aedes do bem", que consiste em soltar mosquitos transgênicos para combates o Aedes aegypti, não foram encontrados, até o momento, nenhum inseto adulto da espécie albopictus nas armadilhas, segundo a Prefeitura. 

 

"A espécie em questão foi coletada apenas na fase de ovo e sua identificação foi feita na fase de larva. Os dados são insuficientes para constatar se há ou não ocupação do nicho ecológico. Como em todo o país, mas ele é periurbano, com hábito predominantemente silvestre, vivendo mais em propriedades rurais, fundos de quintais e terrenos baldios", diz o texto da nota. 

 
Fonte: Portal G1
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Copyright © 2003 - 2018 - Limeira Online - O Site da Cidade!!! - Todos os direitos reservados - All rights reserved

 

Desenvolvimento